- Atenção setores vermelho de 1V a 25V, setores azuis de 1A a 25A, ao meu comando iniciar os sistemas. – Ele comanda seus auxiliares com sua voz possante e comandos precisos, seus olhos acompanham os medidores de energia que lentamente passam da marca zero e se aproximam da quarta parte do medidor. Confere o tempo: 28 segundos, um segundo a mais do que as projeções feitas até então. Novamente sua voz comanda acionando os módulos: amarelo, verde, azul e branco. Nova conferida, finalmente os 100% são alcançados.

- Atenção, agora iniciar os módulos Alfa e Beta, não, repito, NÃO ACIONEM O MÓDULO SIGMA SEM MINHAS ORDENS. – Para ter a certeza absoluta que sua ordem seria ouvida repetiu novamente a mesma, de modo a deixar bem claro que o módulo SIGMA deveria ser deixado desligado.

No centro da sala uma mesa enorme revestida por uma cúpula de plástico transparente onde de seu exterior acopla-se um sem número de fios e cabos dos mais diversos calibres. Nas laterais tubos plásticos levam nutrientes para o interior da cúpula .Em seu interior diversas luzes brilham, em um ritmo pré-determinado. As diversas salas onde se encontram as equipes de trabalho acompanham o ritmo frenético do pulsar que emana do local. Todos os monitores estão ligados e transmitem imagens da cúpula.

- Ligar módulo Beta 45, agora. – Ele sua por todos os poros, as suas mãos tremem, o óculos está totalmente embaçado. A camisa e seu avental podem ser torcidos tanto é o acúmulo dos líquidos corporais daquele homem.

Por duas horas ele continua ditando ordens, suando, conferindo e tornando a conferir resultados. Até que chega a hora decisiva.

- Atenção preparar para ligar módulo Sigma. Ao meu sinal...esperem...esperem...esperem...- todos os medidores, mais de sessenta, chegam ao máximo, luzes vermelhas indicam início de sobrecarga, ele acompanha todos os mostradores e finalmente parece se dar por satisfeito. – AGORA..............

As luzes da sala e também aquelas que estão na cúpula piscam sem parar, enormes quantidades de energia e de dados circulam por todo o sistema e de uma forma ou outra acabam sendo inseridos no interior da cúpula. O processo demora mais quarenta minutos, enfim, uma forte campainha avisa que o processo está concluído, a sala é iluminada por uma forte luz violeta, e a cúpula se abre lentamente, revelando seu interior.

O bebê olha assustado a incrível quantidade de pessoas ao seu redor, e tem a única reação típica que poderia ter, chora em altos brados.

Enquanto enfermeiras especialmente treinadas cuidam do pequeno ser, ele vai conferindo diversos tópicos com o computador:

- Capacidade de aprendizado - 100%
- Capacidade de reprodução – 100%
- Capacidade de desenvolvimento físico – 100%
- Capacidade de amar – FUNÇÃO INDISPONÍVEL...

- DROGA, ESQUECERAM DE INCLUIR O AMOR.

F I M

1 comentários:

Leo Carrion disse...

Achei que faltou uma revisão, daquelas de deixar o texto "dormindo" uns dias. Isso porque há alguma confusão de escrita, um travessão mal colocado no início, uma mudança ou outra de forma de narrar que prejudica a escorreição do texto. No mais achei o andamento bom, a descrição adequada. A piada final foi um pouco banal. Tinha espaço para algo mais poético, pelo tom do texto até ali. Mas no resultado final, gostei do geral.

Postar um comentário